logo
Agência carioca especializada em turismo cultural para melhor idade. Promovemos diversão, conhecimento e integração em nossos passeios. Nossas viagens são mais do que um simples caminhar. Cuidamos de tudo para que, do começo ao fim, você só se preocupe em desfrutar desses momentos.
Ultimas Postagens
(21) 98208-8506
contato@alextourviagens.com.br

NOS SIGA NAS REDES:

(21) 98208-8506
Topo
 

Bananal

Estância Turística
17 abr

Bananal

por William Bittar

Inicialmente, em 1540, a região era habitada pelos índios Purís, que significa “gente mansa” e desde o período colonial, o Vale do Paraíba constava como rota de viajantes, valorizada a partir do final do século XVII, com a descoberta do ouro nas Gerais e seu posterior escoamento em direção ao porto de Paraty, através da Mantiqueira e depois a Serra do Mar. Ao longo do caminho surgiam ranchos, pousadas, engenhos de torna-viagem para mercadores e tropeiros.

No entanto ainda não existia um caminho terrestre consolidado entre as Capitanias de São Paulo e do Rio de Janeiro, uma opção às viagens marítimas a partir de Paraty.  Mesmo idealizada a partir de 1725, só a partir de 1770 a estrada foi aberta pelo Capitão-Mor de Guaratinguetá, Manoel da Silva Reis, por ordem de Martim Lopes Lobo de Saldanha, do Conselho de Sua Majestade. Tratava-se de um caminho “que compreende vinte e tantas léguas de sertão, que ele fez romper pela serra da Bocaina e Paraíba”, mas necessitava de auxílio para sua construção.

O plantio do café, empreendimento mal sucedido nas terras da Corte, espraiava-se pelas margens do médio Paraíba do Sul, transformando o sertão fluminense antes ocupado por modestas povoações, homens rudes, cansados de rasgar a terra em busca do ouro cada vez mais escasso.

A Praça Rubião Junior e o casario histórico da Cidade de Bananal.

Segundo a tradição local, o nome Bananal pode ser atribuído a uma corruptela do termo indígena “banani”, utilizado para indicar o traçado sinuoso do rio local. Outra versão atribui a origem à presença do antigo “Pouso do Bananal”, local identificado pela existência de muitas bananeiras, localizado às margens do chamado Caminho Novo que ligava as províncias de São Paulo e Rio de Janeiro. Este pouso era a parada das tropas de mercadorias para reabastecimento e descanso.

Para explorar a região, foram doadas sesmarias para os interessados em ocupar aquele território. Uma delas, a do Rio Bananal, foi concedida a João Barbosa Camargo e sua mulher que, em 1783, fizeram erigir em suas terras uma modesta ermida dedicada ao Senhor Bom Jesus do Livramento, em torno da qual surgiria o povoado de Bananal.

O desenvolvimento iniciou-se graças aos esforços do comendador Antônio Barbosa da Silva e outros descendentes de Barbosa Camargo. Com a cultura do café, Bananal cresceu até se tornar a cidade mais rica do Vale do Paraíba, no período de 1822 a 1888 aproximadamente.

O Resgate tornou-se uma fazenda em 1828, como dote de casamento de Alda Romana de Oliveira com o coronel Inácio Gabriel Monteiro de Barros.

Os lucros que inicialmente eram aplicados na compra de escravos e ampliação do plantio, reverteram-se posteriormente nas rústicas sedes de fazendas que transformaram-se em faustosos palácios do sertão.

Elevada a condição de Paróquia em 20-01-1811, por Alvará Régio, a capela ficou sendo a matriz local. Nesta ocasião Bananal pertencia à Vila de Lorena até que em 28-11-1816, por alvará da mesma data, foi anexada à Vila de São Miguel de Areias. Em 10-07-1832 foi elevada à condição de Vila; em 06-04-1833 a câmara dividiu o município em 4 distritos: vila de Bananal, Santo Antônio (depois Arapeí), Serra e  Rancho. Em 1849 passou à categoria de cidade; e em Março de 1858, pela  lei provincial número 16, passou a ser sede de Comarca.

Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus do Livramento.

Em 1836, Bananal já era a segunda maior produtora de café de São Paulo e concentrava em suas terras os mais ricos fazendeiros da região, só rivalizando com a progressista Vassouras, situação que perdurou até a Abolição da Escravatura.

O capital acumulado, depositado nos bancos ingleses, era tão expressivo que a vila contou, por algum tempo, com moeda própria e seus barões chegaram a avalizar empréstimos feitos pelo Imperador junto ao Banco Rotschild para enfrentar a Guerra do Paraguai. Só um dos fazendeiros locais, Manoel de Aguiar Valim, proprietário da Fazenda Resgate, contabilizava no testamento, em 1878, cerca de 1% de todo o papel moeda emitido no Brasil em apólices da dívida pública.

Para otimizar o transporte do café, os barões financiaram a construção da Estrada de Ferro Ramal Bananalense, que cruzava as principais propriedades, ligando-as à Barra Mansa. No centro da vila, como símbolo de poder e modernidade, instalaram uma estação ferroviária inteiramente importada da Bélgica, de estrutura e paredes metálicas, inaugurada em 1889.

Estação Ferroviária de Bananal.

Todo o luxo e ostentação tiveram vida efêmera devido a sucessivos e coincidentes episódios: as terras começaram a dar sinais de exaustão, devido a processos predatórios de exploração do solo; a ferrovia Santos-Jundiaí facilitava o escoamento da produção de maneira mais ágil, de pontos mais distantes de São Paulo e finalmente, em 1888, a abolição da escravatura. Iniciava-se uma lenta agonia de centros prósperos que transformavam-se em cidades mortas, cenários de disputas de heranças de fortunas dilapidadas, de cafezais substituídos por pastos, uma decadência com pouca lembrança das glórias de outrora.

A sala de jantar da Fazenda Resgate, hoje nos apresenta o luxo do período áureo do plantio do Café na Região.

Em meados do século XX a abertura da Via Dutra desviou as atenções e praticamente anulou a antiga estrada dos tropeiros que passava por Bananal e outros povoados locais, como Areias e São José do Barreiro. Restaram pequenos povoados, escondidos junto da Serra da Bocaina, sítios que só no final do século XX foram redescobertos como reserva ecologia da Mata Atlântica e têm o Ecoturismo como fonte de renda e de atenção, convivendo com antigos sobrados e grandes sedes de fazenda, com outros donos, muito diferentes de seus originais desbravadores.

Em 15 de Fevereiro de 1991 foi decretado o tombamento do Perímetro Urbano de Bananal pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico. Artístico e Turístico do Estado – CONDEPHAAT, uma tentativa de preservar a memória de um dos mais importantes centros econômicos do período imperial.

Que tal, você gostou das informações que trouxemos sobre o Bananal? Deixe seu comentário!

 

Viaje Conosco

Rodoviario

Bananal R$179

Fundada em 1783, Bananal teve seu apogeu em torno do séc XIX, com a produção de café. Grandes fazendas e palacetes urbanos são ainda o testemunho desse período. Fazem 50 anos, Bananal iniciou novo ciclo produtivo, voltado para o artesanato, com destaque os trabalhos em croche de barbante, a produção de cachaça e doces artesanais sendo que o governo estadual de São Paulo, classificou a cidade de Bananal como Estância Turítica. Em 1985 o Conselho de Patrimônio Histórico e Cultural do Estado de São Paulo, CONDEPHAAT, promoveu o tombamento do…
01 dia

Comments

comments

Deixe uma resposta:

You don't have permission to register
%d blogueiros gostam disto: