logo
Agência carioca especializada em turismo cultural para melhor idade. Promovemos diversão, conhecimento e integração em nossos passeios. Nossas viagens são mais do que um simples caminhar. Cuidamos de tudo para que, do começo ao fim, você só se preocupe em desfrutar desses momentos.
Ultimas Postagens
(21) 98208-8506
contato@alextourviagens.com.br

NOS SIGA NAS REDES:

(21) 98208-8506
Topo
 

Festa do Divino

de Cunha
13 jul

Festa do Divino

por Águida Ferraz

Divina Fé de Cunha. A Festa do Divino é uma celebração de origem portuguesa trazida durante a colonização, e atualmente é uma das 10 principais festividades do calendário nacional. em nosso município é uma tradição devocional tri centenária, onde a pequena vila pacata no alto do Vale, se agitava com a pequena singela demonstração de fé a terceira pessoa da Santíssima Trindade. Na contemporaneidade, a solenidade cresceu, assim como a cidade e o festejo acabou se tornando o maior evento religioso de carácter devocional e de valores culturais e tradicionais que caracterizam o local como primordial foco de turistas e fiéis a procura dos agradecimentos de fé na região durante esse período. A Festa do Divino é uma festa cristã. A sua origem é tão antiga quanto o próprio cristianismo. O seu nome litúrgico é “Festa de Pentecostes”, a palavra pentecostes é de origem grega e significa “cinquenta dias”. No tempo de Jesus, a comunidade judaica celebrava uma festa típica, em agradecimento pelas colheitas, cinquenta dias após a Páscoa, da qual participavam judeus de todas as partes do mundo.

Rara imagem da década de 40, aonde vemos a Bandeira do Divino e os violeiros de procissão.

Nesse dia, Jesus enviou sobre os Apóstolos o Espírito Santo. Repletos e animais pelo Espírito Santo, os Apóstolos começaram a pregar corajosamente a Boa Nova de Jesus Cristo, Senhor e Salvador. O texto do Livro dos Atos dos Apóstolos sublinha a efusão do Espírito Santo e dos seus Dons sobre os Apóstolos e a realização da Nova Aliança selada por Deus em Cristo. A vinda do Espírito Santo foi anunciada aos Apóstolos por Jesus como “Advogado ” e “Consolador”. De Fato, é o Espírito Santo quem guia e conduz a Igreja pelos caminhos do mundo e da história. Jesus continua a sua obra salvadora, em prol de todos os homens, pela ação da Igreja, a qual para cumprir sua missão conta constantemente com a presença do Espírito Santo. A Igreja celebra a festa de Pentecostes com os paramentos vermelho, símbolo e sinal do amor com que Deus nos ama e do “fogo” que aquece, ilumina os corações dos discípulos de Jesus. O Espírito Santo é representado no símbolo de pomba. Já nas páginas do Novo testamento encontramos este símbolo, transmitindo o sentido de amor, pureza, paz, mansidão, bondade, vida nova. A plenitude da ação do Espírito Santo nos corações dos fiéis é representada em forma de Sete Dons: entendimento, ciência, sabedoria, conselho, piedade, fortaleza, temor de Deus. A Festa do divino remonta sua origem a Europa desde o séc. XII já se tem notícias da festa na França. Em Portugal, seu início reinado da rainha Isabel de Aragão, esposa de D. Dinis, que propagou o culto ao Divino Espírito Santo em 1323 e fundou a primeira Igreja do Espírito Santo na Vila de Alenquer.

Na região Sul do nosso país em especial Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a história dessa celebração remete ao Séc. XVIII, quando a chegada dos imigrantes açorianos vindo de Ilhéus ao Brasil. Ela ocorre cinquenta dias depois da Páscoa. O festejo inclui a Folia do Divino e a Novena do espírito Santo, cujo término marca o início da procissão da Bandeira do Divino, onde os fiéis peregrinam pelas ruas, exaltando o Terceiro elemento da Santíssima Trindade com cânticos de louvor. A Bandeira do Divino é considerada um dos maiores trabalhos de evangelização desenvolvido pela Igreja. A presença do Espírito Santo é recebida por qualquer família, independentemente de sua denominação religiosa. A tradição que se originou em Portugal, mantém viva como patrimônio histórico no Brasil. Em alguns Estados, a Festa do Divino mescla com manifestações Folclóricas e representações teatrais. Assim a Festa do Divino em Cunha, incorporou elementos dos costumes locais, da cultura africana e indígena em seus rituais, espelhando o sincretismo já existente no estado. Já em Paraty, os rituais se aproximam mais de sua origem portuguesa. Em todas as cidades, as celebrações contam com missa, procissões, novenas e quando há programação paralela, festa com barraquinhas e shows. Normalmente é comemorada durante as Festividades de Pentecostes -50 dias após a Páscoa, que acontece em maio ou junho.

A procissão da Festa do Divino, na pequena cidade de Cunha.

Já em Cunha, celebra-se as festividades do Espírito Santo no terceiro domingo do Mês de Julho, antecedendo de 9 dias de Novena. Durante todo o ano os festeiros do Divino percorrem os bairros e comunidade rurais e urbanas, levando a Bandeira do divino, símbolo da festa, e o sal, que é tradicional atributo de simplicidade e fartura na representação dos costumes locais. Em muitas casas na zona rural os festeiros é acompanhado pela folia do divino, que cantam suas variadas rezas e ,após feita a oração toda comunidade se reúne em uma confraternização .No mês de Julho os festeiros se reúnem na Casa do Império- Igreja Nossa Senhora do Rosário e na Igreja Matriz, para começarem a preparação de um dos maiores atributos tradicional visual da festividade, a ornamentação vermelhado em honra ao espírito Santo. O destaque dos vermelhos do divino faz tanto sucesso que a festa saiu das Igrejas e se tornou um dos maiores impactos de fé do povo cunhense. Na Festa, madrugada fria do inverno, a devoção aquece os corações dos devotos que levantam cedo para prestar homenagem ao espírito Santo. Uma multidão se reúne em frente à Casa do Império para o início da Alvorada Festiva que caminha pelas ruas do Centro até a Casa da Festa, onde ocorre a celebração da Santa Missa, o café com tradicional bolinho de arroz.

No final da tarde do primeiro dia de festividade, uma carreata concentra-se no portal da cidade, onde após as bençãos, percorre as principais ruas do município até a Casa do Império, no qual seguem em procissão das Bandeiras a Igreja Matriz, lugar em que ocorre as celebrações festivas. Durante a novena, procissões ligam a Igreja do rosário com a Igreja Matriz, além de repiques de sinos, encontro de folias, corrida e caminhada, apresentações de congadas e grupos de manifestações da cultura africana e indígena. Os bastidores movimentam a Casa da Festa, durante o evento, com a “Escolha do Feijão”, “Corte de Carne” e a preparação do Tradicional Afogadão – Almoço servido para de 30 mil pessoas no dia da Festa. No dia da Festa os sinos tocam as 5 hs da manhã, mas tarde a Santa missa, no final é distribuído sal, e estiado o Mastros Festivo.

Almoço comunitário da Festa do Divino de Cunha.

Após o Almoço servido na casa da Festa; durante o restante da tarde as brincadeiras movimentam o centro, com várias apresentações culturais e musicais, a noite o cortejo do Divino caminha pelas ruas do centro e finalizando com a Missa de encerramento e a Nomeação dos novos festeiros, terão a missão de realizar a maior festa do Divino do Estado de São Paulo .Símbolos do Divino : a Bandeira, a Coroa, as Fitas (promessas, agradecimentos),a Folia do Divino, o Sal Bento, o Tradicional Bolinho de Arroz, os Doces , a Visita .A Festa Do Divino é uma celebração aguardada pelos fiéis ao longo do ano. A festa é o reflexo de nossa cultura, é a mais tradicional festa popular da cidade de Cunha. 

A Bandeira do Divino, na voz de Ivan Lins.

Que tal, você gostou das informações que trouxemos sobre o Cunha? Deixe seu comentário! E indicamos a Guia Áquida Ferraz, para lhe guiar pelos encantos da Estancia Climática de Cunha. Entre contato pelo Whatsapp: +55 12 99652-3582

 

Viaje Conosco

Rodoviário

Cunha R$950

Capital Nacional da Cerâmica Artística e das Lavandas.
3 dias

Comments

comments

Deixe uma resposta:

You don't have permission to register
%d blogueiros gostam disto: