logo
Agência carioca especializada em turismo cultural para melhor idade. Promovemos diversão, conhecimento e integração em nossos passeios. Nossas viagens são mais do que um simples caminhar. Cuidamos de tudo para que, do começo ao fim, você só se preocupe em desfrutar desses momentos.
Ultimas Postagens
(21) 98208-8506
contato@alextourviagens.com.br

NOS SIGA NAS REDES:

(21) 98208-8506
Topo
 

Grande Hotel – Memórias dos Salões

A vertigem da Beleza
25 fev

Grande Hotel – Memórias dos Salões

O conjunto do Grande Hotel e Termas de Araxá, constitui o mas expressivo exemplar do estilo Missões no Brasil. Tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico desde 1989, o complexo se impões pela monumentalidade, realçada na composição de espaço perfeitamente equilibrada.

Antes do ladro de fora, o olhar é atraído pelo vasto corpo que se divide em dois: o Hotel e as Termas. Os grandes arcos nas fachadas, texturas em pedra e terracota, guarda-corpos e gradis em metal, balcões da Renascença, majestade e vertigem em eclética mistura de referências.

Destaca-se a paciente artesania que reveste as paredes com “pinceladas” circulares, referência ao pitoresco da arquitetura rural europeia.

O hall da entrada principal já anuncia ao visitante que a viagem pelo interior dos edifícios será de tirar o folego. Seu porte grandioso combina lustres de cristal da Boemia, pendentes de um teto com oito metros de altura, o piso em mármore de Carrara e as nuances do travertino romano revestindo as colunas. Nas paredes frontais, lado a lado, dois grandes murais do paulista Joaquim da Rocha Ferreira, autor de maioria das obras de arte do Grande Hotel, levam-nos a percorrer o circuito do ouro e dos diamantes de Minas e nossas estancias hidrominerais.

Nas extremidades do conjunto, quatro salões de 620m² cada e pé direito de sete metros pasmam quem os adentra. Por ocuparem apenas o térreo e o porão, poupados da carga dos demais pavimentos, esses grandes volumes ostentam vãos generosos, livres de pilares, vistos somente no alinhamento das alvenarias.”

Na ala oeste, o restaurante Estância do Barreiro” (ou simplesmente o grill-room do passado), com seu “rodapé” de quase dois metros em mármore, delicada decoração em gesso nas colunas e amplas varandas que se abrem aos jardins e ao Lago Superior.

Na mesma ala, ao norte, o Salão de Festas, hoje “Belo Horizonte”, palco dos bailes de carnaval e réeveillon e das muitas comemorações por qualquer bom motivo, exibe lustres em metal, cristais bisotados nas portas e janelas e ilhas de serviço em madeira e mármore.

Na ala leste, o “Cine-Teatro Tiradentes”. O Cinema dos anos dourados com rigoroso revestimento em gesso e acústica perfeita, oferece 418 lugares e confortáveis poltronas de época em madeira de lei e couro. As grandes conchas côncavas no teto, além do belo efeito luminoso, fazem milagres com a propagação do som, que chega com a mesma nitidez á primeira ou a ultima fileira, sem qualquer amplificação.

Completa a quadra de ases o magnifico “Salão Minas Gerais”, o Cassino que não sobreviveu nem dois anos, mas marcou época. Cercado de chapelaria, bar, foyer e hall de entrada, sinais de sua frequência de alto estilo, o salão tem o piso todo revestido em pinho e imbuia, compondo um imenso tabuleiro de xadrez. Acrescentam-se os espelhos e lustres de cristal, teto rebaixado em gesso, imensas janelas na frente e no fundo, vidros franceses. O resultado é impressionante.

Os outros salões compõem a beleza do andar térreo. O “Ouro Preto”, a Boite, tem paredes forradas em cerejeira talhada, espelhos, lustres de cristais da Boêmia e um palco inusitado, cujos dois primeiros degraus se movem por ate cinco metros, impulsionados por mecanismo elétrico para formar a pista de dança.

“O Congonhas (antes, Salão de Leitura) tem dois grandes murais de Rocha Ferreira (As Amazonas e Os Sacis), cristaleiras e “rodapés” de um metro e meio de altura em madeira de lei.”

O “Diamantina”, atual sala de jogos, era o antigo “Fumadouro” e Cafeteira. O “Scotch Bar”, onde é possível desfrutar do som cristalino de um piano de época, conserva o estilo inglês, com balcão forrado em couro, paredes revestidas em madeira de lei, poltronas acolhedoras e lustres pendurados por correntes. As mesas dos convivas, muito baixas, talvez sejam sinal de que o projeto, cuidadoso com os humores da política, levou em conta a baixa estatura do patrono Getúlio Vargas.

Ao fundo do hall de entrada brilha o “Solar dos Araxás”, ali onde era o Salão de Inverno dos chás da tarde, fechado em “paredes” de cristal sob um teto com pintura em vidro e iluminação interior, espelhando o límpido céu de Araxá.

Na próxima “esquina” pode surgir um painel sobre azulejos om Dona Beja, pelas mãos de Rocha Ferreira, ou uma pintura retratando o Barreiro Antigo, de Almeida Carvalho. Surpresas dentro de outras, nas largas galerias avarandadas das faces sul e norte, cujo piso é milimetricamente desenhado em pedras portuguesas assentadas em mosaico, uma a uma, com precisão de matriz matemática. Não é por acaso que sempre se entreouve de um bom conhecedor dos meandros daquela obra: “os maiores artistas aqui foram os pedreiros”.

“No vão central, dois elevadores Atlas conduzem ate 14 pessoas de uma vez aos andares acima a uma velocidade, para os anos 40, de espantosos 60 metros por minuto. A primeira incursão, obrigatória, é no segundo andar, onde o tempo parece que parou. La estão as suítes presidencial e governamental, idênticas, a não ser pelas cores, guardadas por um amplo hall e quatro portas com folhas duplas em madeira e vidro”.

Em cada uma, 200 m² de luxo: living room; sala de jantar com lustre francês; tapete persas; cortinas tchecas; moveis Laubisch & Hirth; arandelas de cristal; dormitório principal com duas camas de viúva, à moda inglesa; banheiro com paredes forradas em mármore de alabastro, em pedras de mais de um metro e meio, e piso em Carrara; a um canto, a banheira com agua sulfurosa a 26°C; noutro, as nanicas louças sanitárias, nova evidencia de um design “sob medida” para o presidente baixinho.

Nas varandas que se abrem para o pátio de entrada do Grande Hotel, quase é possível ouvir o discurso inaugural de Vargas e até mesmo vê-lo, mais alto do que era, graças ao contraste do guarda-corpo pigmeu.

O segundo pavimento inteiro, aliás, é o chamado “Andar Memoria”. Além das suítes do presidente e do governador, todos os demais apartamentos e o mobiliário foram restaurados de acordo com o projeto original da década de 1940, visando conservar a memória e o patrimônio histórico.

Os andares superiores seguem o mesmo padrão de requinte, com variações de estilo, disposição, tamanho dos quartos e dos halls.

No sexto andar, o longo corredor se aperta como garganta deixando, no entanto, que os quartos respirem por bons terraços. Uma curiosidade chama a atenção: a exceção do sétimo pavimento, não há apartamentos terminados em sete, mas nenhuma citação explica o fato singular, esoterismo, cabala superstição? O enigma persiste.

Fonte: Rede Tauá de Hoteis

Viaje Conosco

Aéreo
Realizada num dos mais belos hotéis do Brasil – Grande Hotel e Thermas de Araxá. A Páscoa Iluminada é um grande evento de som e luz.
4 dias

Comments

comments

Deixe uma resposta:

You don't have permission to register
%d blogueiros gostam disto: