logo
Agência carioca especializada em turismo cultural para melhor idade. Promovemos diversão, conhecimento e integração em nossos passeios. Nossas viagens são mais do que um simples caminhar. Cuidamos de tudo para que, do começo ao fim, você só se preocupe em desfrutar desses momentos.
Ultimas Postagens
(21) 98208-8506
contato@alextourviagens.com.br

NOS SIGA NAS REDES:

(21) 98208-8506
Topo
 

Parque Lage

Rio de Janeiro
23 maio

Parque Lage

HISTÓRIA

A área onde se localiza o Parque Lage faz parte do antigo Engenho de açúcar d’El Rei, às margens da lagoa Rodrigo de Freitas, região de densa vegetação e muito aprazível, que caiu nas graças de D.João.

Nas suas imediações iria ser construída uma fábrica de pólvora e o Jardim de Aclimação, hoje nos domínios do Jardim Botânico.

Em 1840, John Tyndale, paisagista inglês, foi contratado para transformar a antiga fazenda colonial em uma chácara, com edifício central cercado por jardins ingleses, ruínas e grutas artificiais, partido comum na Europa daquele tempo.

Em 1859, Antonio Lage comprou a propriedade, atribuindo-se o nome que o consagrou: “Parque dos Lages”.

Em 1900, o parque foi deixado como herança para seus três filhos, que o venderam em 1913 para César Rabelo seu proprietário até 1920 quando Henrique Lage, neto de Antonio, conseguiu adquirir o conjunto, devolvendo-o para a família.

O novo dono contratou um arquiteto italiano, Mario Vodret, para reformar o antigo palacete, como a diretriz principal de agradar sua esposa, Gabriela Besanzoni, uma cantora lírica italiana.

Erguido a frente do Parque Lage, nas terras do médico José Mariano Filho, foi um dos belos exemplos do Neo-colonial luso brasileiro. Hoje Demolido.

Mesmo com as novas tendências arquitetônicas vigentes, como o neocolonial presente no Solar de Monjope, localizado à sua frente, na mesma rua, ou art-déco iniciante, o edifício foi projetado conforme uma Villa italiana, adotando o ecletismo classicizante como repertório dominante: pórtico destacado com arco romano;  um pátio interno com piscina, à feição do impluvium, arrematado por torreão; espaços internos profusamente decorados, com destaque para o suntuoso banheiro em mármore rosa e preto.

Piscina interna da Residencia de Henrique Lage

Existe uma relação formal entre a vila e o pavilhão italiano construído na Exposição Internacional do Centenário da Independência, realizada na Praça XV, em 1922.

A tradição e o noticiário registram nababescas festas ocorridas no palacete, com audição de ópera da proprietária na torre, para os convidados na piscina, além de outros comentários mais audaciosos.

A residencia, ainda e usada para grandes eventos como Casamentos.

Devido a muitas dívidas, Lage gradativamente se desfez de parte de seu patrimônio, entre eles o Parque.

A partir daí, a área verde foi objeto de várias demandas judiciais, como a compra pela Rede Globo, que implicaria em destruição para construção de edifícios.

Para sua preservação, o governador Carlos Lacerda, através do patrimônio estadual iniciante, promoveu seu tombamento, desapropriação e conversão em um parque aberto ao público.

O edifício, a partir de 1966, passou a abrigar escolas de artes visuais, ainda em atividades.

Vista do Parque e Residencia de Henrique Lage, do fotografo: Alexandre Salem.

Viaje Conosco

Rodoviário
Projetado em 1840 pelo paisagista inglês John Tyndale, o belíssimo jardim de estilo romântico europeu divide as atenções com a floresta nativa de Mata Atlântica. Destacam-se também as palmeiras imperiais, os lagos e ilhas artificiais, além das cavernas espalhadas pelo parque e os aquários incrustados nas paredes com diversos peixes. Muito procurado por famílias, especialmente nos finais de semana, o Parque Lage conta com boa estrutura para a diversão das crianças, com brinquedos e grande área ao ar livre. É muito comum a realização de piqueniques no parque. O Instituto…
01 dia

Comments

comments

Deixe uma resposta:

You don't have permission to register
%d blogueiros gostam disto: